terça-feira, 7 de novembro de 2017


Dilata meu coração
Uno-me a Ti por um apelo teu
Quero te encontrar nos irmãos
Buscar o que perdi e descobrir-Te, recomeçar
Oh! Sendo fraca, me confundirão os fortes
Nesta batalha, Tu vencestes!
Eis-me aqui!
Sou tua novamente!


domingo, 7 de agosto de 2016

A sacralidade do cotidiano

       
        Sempre gostou das coisas simples. Quando adolescente queria se casar com um homem bom, não precisava ser rico ou muito bonito, mas ter bom homor, ser trabalhador e fiel. Talvez, por isso, nunca almejou a opulência e tinha uma considerável admiração pela modéstia. Seu estilo de vida afirmava que a simplicidade era a mestra da felicidade.
O cheiro do café que vinha da cafeteira lhe motivou a trocar os pires e as xícaras habituais por outras menos usadas. Mudou também o local de pôr os pães e os colocou em uma bandeja florida. Preencheu o açucareiro. Viu que o pote de margarina estava quase no fim e pegou outro na geladeira. 
        O ritual cotidiano aos poucos foi tornando sagrado e o amor lhe dava autonomia para fazer o que quisesse. Colocou também o queijo, a geleia, o leite e o requeijão. A mesa estava posta. Chamou-o. Sentaram-se um na frente do outro. Era um dia lindo. Olhou para ele e sorriu. O sol ainda raiava nas frestas da janela.

sábado, 30 de janeiro de 2016

Inspiração




 A palavra fala.
 O sopro acontece.
 O coração não se contêm.
 O interior é cercado de detalhe.
 Tem azul, tem amarelo, tem vermelho.
 O  sol nasce em cima da cabeça e o pássaro voa perto de mim.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Descoberta



Como ser tua, sendo eu tão pequeno?
A grande descoberta do que sou mistifica o oposto.
A história se repete e os dias passam.
A forma taciturna é o gosto pelo escondido.
Mas, como deixar a primazia da alegria?
Só aqueles que se olham, demoradamente, é capaz de entender.
Aos que querem saber, uma dica: a essência revela.
Há aqueles que buscam com frequência o sentido
Por que nada disso serve?
Diante das coisas criadas, o homem sente o caos.
Não se atreve a duvidar, mas não pensa em  mais nada.
Chegou a hora de sonhar.

quinta-feira, 20 de agosto de 2015

Missão pessoal













Reza.
Dor e grito.
O tempo não acaba.
As palavras vão e vem.
Fantasmas fugazes.
Ruminações persistentes.
Interesses constantes.
Sonhos acordados.
O pensamento não para.
O que fazer, então?
Elogios e realizações.

A imposição é taciturna.
Ela me escolhe.
E se eu não quiser?
Mas eu sou ela.
Medita.
É noite.


sábado, 24 de agosto de 2013

Não posso parar


Não posso parar!
As imperfeições inclinam-me a isso.
Não posso parar!
O esforço de hoje sera a recompensa de amanhã.
Não posso parar!
Por mais que me sinta fraca.
Não posso parar!
Meus sonhos são reais.
Não posso parar!
A raiz dessa ansiedade é irreal, ilusoria!
Não posso parar!
O que me guia hoje é a memoria, o inicio de tudo.
Não posso parar! 

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Fazendo memoria

      
Era tudo tão...
                 radiante, vibrante,
                                       belo, alegre,
                                      cheio, eterno,
                                    vivo, incomparável,
                                       imutável, simples,                              
                                           certo, óbvio,
                                         claro, urgente,
                                       verdadeiro, doce,
                                        firme, presencial.